segunda-feira, 27 de novembro de 2017



Quando Cómodo renomeou Roma

Marcus Aurelius Commodus Antonius“Cómodo”.
Imperador romano de 180 a 192, Cómodo nasceu em Lanúvio (Lácio) a 31 de agosto de 161 e faleceu em Roma a 31 de dezembro de 192.
Filho de Marco Aurélio e de Faustina a Jovem, o seu reinado terminou a era dos “cinco bons imperadores”da dinastia Antonina.
Descendente de Antonino Pio, Cómodo é o único imperador desta dinastia que não foi adotado, isto é, nascido na púrpura imperial.

Há quem pretenda que Cómodo não era filho de Marco Aurélio, mas de um gladiador com o qual sua esposa Faustina teria relações.

De facto, sua mãe é descrita por Dião Cássio na História de Augusto, como infidele que traía o seu marido com gladiadores.
Faustina teria grande atração por este género de homens, e quando assistia aos jogos no Coliseu, diz-se que os combates eram mais violentos que o normal.

No ano 177 Cómodo casou com Bruta (ou Brútia) Crispina que recebeu o título de Augusta.
Crispina então com dezasseis anos de idade, ofereceu-lhe como dote um grande número de propriedades que, juntamente com o tesouro imperal, assegurou-lhe o controlo sobre uma parte substancial do território da Lucânia.

A cerimónia em si foi modesta, mas comemorada através da cunhagem de moedas e em generosas distribuições à população. 

Cómodo-Denário cunhado em Roma em 183
Anv. Busto de Crispina drapeado à direita;
CRISPINA AUGUSVTA
Rev. Duas mãos juntas; 
CONCORDIA
(Ref. RIC-279ª)

Cómodo-AE 28 cunhado na Trácia (data incerta)
Anv. Bustos drapeados de Crispina e  Cómodo;
BR KRICPINA CEB AYT KL AYRH  KOMMODOC
Rev. Capaceto coríntio;
BYZANTIWN EPI PONTIKOY
(Ref. Sear-2069, Moushmov-3304)

Após dez anos de casamento, Crispina falsamente acusada de adultério foi banida para a ilha de Capri em 188, e mandada executar pelo ex-esposo em 193.
Cómodo e Crispina não tiveram filhos, o que provocou uma crise de sucessão em 193, conhecida como o ano dos cinco imperadores, que teve início com o breve reinado de Pertinax  (86 dias).
Cómodo não voltou a casar, mas teve grande relação amorosa  com uma amante chamada Márcia, que segundo a história tentou assassiná-lo.

Cómodo-AE17 cunhado em Elea (Eólida, data incerta)
Anv. Busto de Cómodo laureado à direita;
AVT  K  L  AVR  KOMODOC
Rev. Busto de Crispina sob os traços de Deméter à direita;
ELAITOWN 
(BMC-47, SNG von Aulock-1614-1615)

Os historiadores antigos nunca se resignaram a admitir  esta filiação, e atribuíram a Faustina esposa do imperador e mãe de Cómodo, aventuras galantes.

Marco Aurélio, filósofo impassível e cético por natureza, consultou magos e astrólogos que  aconselharam um tratamento radical para assegurar a fidelidade da sua esposa.
Naturalmente em primeiro o assassinato do gladiador.

Em seguida Faustina teria que tomar um banho de assento, quente, perfumado, prolongado, e em seguida fazer apaixonadamente amor com o seu ligítimo esposo.
Segundo a história depois desta medicação, a paixão de Faustina por gladiadores dissipou-se imediatamente, e nove meses depois nasceu o catastrófico Cómodo.

Os biógrafos antigos afirmam que muito cedo o jovem Cómodo mostrou instabilidade no seu caráter, falta de interesse pelos estudos e belas artes, a sua atracão pelos jogos violentos do circo, e sobretudo a sua indeferença para com o governo do império.

No entanto, ao contrário do que o “filme Gladiador” nos quer fazer crer, o seu pai Marco Aurélio nunca pôs em causa  a sua designação como herdeiro do trono.

Os protestos do Senado, o descontentamente do povo, as advertências dos seus conselheiros, não abalaram a determinação do filósofo coroado.
“Seria Cómodo o seu sucessor, venha o que vier”. “Depois de mim o dilúvio !”.

Cegueira paterna caracterizada? Ou Marco Aurélio esperava que com a idade e experiência o carácter do seu filho melhorasse?
O velho imperador pensaria que o seu filho degostoso com a  política, abandonaria as rédeas do poder aos sages e experientes que o aconselhavam?
Ou então, explicação final para esta obstinação incompreensível, talvez Marco Aurélio pensasse que fosse quem fosse o seu pai, e apesar dos defeitos do seu filho, Cómodo tinha direitos inalienáveis ao trono romano.  

Na verdade, Cómodo filho de Faustina também era neto de Antonino Pio.
Um dia em que alguém aconselhou Marco Aurélio a separar-se da sua esposa “a  libertina Faustina”, ele respondeu que divorciar era renunciar à sua fortuna e ao império.

Foi assim que desde a sua tenra idade, o perturbado Comodo, mimado, podre por uma comitiva muito indulgente às suas fraquezas, foi coberto de honras e títulos extravagantes.

Aos seis anos de idade o seu pai nomeou-o “Caesar” César.
Aos onze recebeu o título de “Germanicus” Germânico.
Aos treze tornou-se sacerdote “Pontifex” Pontífice.

Cómodo-Denário cunhado em Roma 175-176
Anv. Busto juvenil de Cómodo drapeado à direita;
COMMODO CAES AVG  FIL GERM SARM
Rev. Instrumentos de sacrifício;
PIETAS AVG
(Ref.-1544, Sear 88#1599)

Finalmente aos quinze anos, no dia 27 de novembro de 177, seu pai chamou-lhe “Imperador”, associou-o ao trono, e deixou este jovem cruel e astuto, triunfar e passear ao seu lado nas ruas de Roma.
Marco Aurélio preparou a sua sucessão com a mesma serenidade e rigor, que ele dedicava a todas as coisas que realizava.

Quando no dia 17 de março de 180, no regresso da sua última e vitoriosa campanha no Danúbio, o imperador filósofo faleceu em Vendobona (Viena), nenhuma voz le levantou para contestar a Cómodo o seu direito à coroa imperal.
O novo imperador apressou-se a terminar o processo de uma paz de compromissos com os bárbaros vencidos por seu pai.

Cómodo-denário cunhado em Roma 186-189
Anv. Busto de Cómodo laureado à direita;
M COMM ANT P FEL AVG BRIT
Rev. Roma sentada  com uma lança na mão esquerda
e uma Vitória na mão direita;
ROMAE  AETERNAE C V P P
Ref. RIC III-429b, BMCRE-546, Sear-5895)

Aquando livre de preocupações guerreiras, Cómodo regressou a Roma para se dedicar à vida incomparável com que sonhava : uma existência fastuosa e sensuale, cheia de festas e jogos, temperada com deboches sem precedentes, e uma luxura embebida de vinho e sangue.

Cómodo que portanto era duma ferocidade bestial, quando tinha que defender as suas prerrogativas perante um senado exasperado, deixava os seus favoritos governar : (Pérennis, Cléandro e outros...) que deu origem a que a  corrupção, precaridade e má administração se multiplicasse.

Embora não tenha sido confontado com nenhuma ameaça exterior ao Império, Cómodo cada vez mais desiquilibrado conseguiu nos dezoito anos do seu reinado, compremeter gravemente o pretigio militar e económico de Roma.

A peste despovoava regiões inteiras, havia fome em todo o Império, bandas de soldados sem comando nem soldo devastavam a Gália, enquanto em Roma o imperador perguiçoso pavaneava no anfiteatro disfarçado de Hércules, (do qual se pretendia ser a incarnação) e combatia as feras com uma moca enorme.
 
Cómodo-Denário cunhado em Roma em 180
Anv. Busto de Cómodo laureado à direita;
M COMM ANTON AVG PIVS FEL
Rev. Águia imperial sobre um globo;
CONSECRATIO
(Ref.RIC-93 ((raro)), RSC-1009)

No entanto o reinado desastroso deste louco, não teve consequências graves para os cristãos
que, segundo Santa Irene eram numerosos a trabalhar no palácio imperial.

Mais, Márcia a concubina preferida de Cómodo que ele adorava ver trajada de amazona,  (túnica curta e seio nu), era uma fervente cristã que recebeu o santo papa Vítor I no palacio imperial, para lhe entregar os decretos de amnistia assinados pelo imperador que dava liberdade aos cristãos encarcerados nas prisões de Sardenha.

Como ironicamente escreveu Edward Gibbon (História do Declínio e Queda do Império Romano), provavelmente não seria fácil a Márcia “a amiga de Deus” para “conciliar a prática do vício com os preceitos do evangelho”.
(Santo Hipólito de Roma chamou a Márcia, “Philotheos”, a amiga de Deus).


Cómodo-AE 41, Medalha de bronze  177-192
Anv. Busto de Cómodo com coroa radiada e Márcia com colar e capacete à direita,
L AVRELIVS COMMODVS AVG PIVS FELIX
Rev. Ao centro a Felicidade com cetro e cornucópia;
à direta Cómodo com véu e manto oferecendo um sacrifício;
à esquerda Vitimário com um boi.
P M TR P XVII IMP VIII
(Cohem-17, Gnecchi p. 64, 116 anv. / 113 rev.)

(À primeira vista podemos supor que o busto feminino ao lado de Cómodo com capacete na cabeça, poderia ser Minerva ou Roma, mas o “pelta” não deixa dúvidas, é bem a representação duma amazona, e neste caso Márcia a concubina por quem Cómodo estava loucamente apaixonado).
(Pelta :pequeno escudo ligeiro em forma de crescente de lua, era um símbolo exclusivo das amazonas).

No entanto, se Márcia era uma boa cristã, todavia ela não estava preparada para ser marterizada.
Quando um dia por acaso a curiosidade a levou a abrir algumas gavetas e consultar alguns documentos confidenciais do imperador, ela descobriu o seu nome numa lista de futuros condenados à morte, ela não perdeu tempo em oraçães que seriam inuteis, e decidiu passar imediatamente à ação.

Ainda o mesmo dia quando Cómodo terminou um dos seus sete banhos quotidianos, Márcia ofereceu-lhe a sua companhia bem voluptuosa, assim como um copo de vinho, “bem envenenado”.
Mas apesar de cansado de uma vida de deboche e libertinagem, o seu amante ainda era forte como um turco, e o veneno depois de provocar alguma sonolência, funcionou como um emético, e o imperador que ainda não queria morrer rejeitou a matéria tóxica!

Foi então que Márcia com o seu cúmplice e futuro esposo, subornaram um jovem robusto chamado Narciso que trabalhava no palácio, que conseguiu dominar e estrangular  Cómodo quando este tomava banho na noite de 31 de dezembro de 192.
Portanto Cómodo faleceu estrangulado na banheira e não no circo. a República também não foi restabelecida após a sua morte como nos mostra Hollywood no filme de Ridley Scott “Gladiador”.


Cómodo-BR cunhado em Roma, 180-192 
Anv. Busto de Comodo laureado à direita;
M COMM ANT P FELIX AVG BRIT
Rev. Sacerdote (Cómodo) velado e drapeado;
com uma junta de bois abrindo um sulco com a charrua,
COL L AN COM PA TR P XV IMP VIII  COS VI  SC
(Ref. RIC-570- Cohen-40)

Aquando da cerimónia da fundação de uma cidade e para marcar os seus limites, um sacerdote conduzindo uma charrua puxada por uma junta bois, cava um sulco que simbolizava as muralhas da cidade.
(Segundo Ovídeo, foi Rómulo o primeiro a efectuar este ritual). 
Um dia auspicioso era escolhido,  geralmente o dia da festa de Pales (divindade da mitologia romana relacionada com o pastoril) que marcava o início dos trabalhos do campo. 
Primeiro abria-se um buraco fundo que se enchia com grãos, frutos e terra dos campos vizinhos.
Neste buraco quando cheio, erguia-se um altar que acendiam ao mesmo tempo que o sacerdote com a charrua marcava os limites da nova cidade.


Cómodo AE 23 cunhado em Roma 190
Anv. Busto de Cómodo laureado à direita;
M COM ANT P FELIX AVG BRIT P P
Rev. Sacerdote (ou Cómodo) velado e drapeado,
com uma junta de bois abrindo um sulco com a charrua;
COL L AN COMM P M TR XV IMP VIII COS VI SC
(Ref. RIC-570- Cohen-40)

Este tipo com o sacerdote velado e a junta de bois, aparece com muita frequência em moedas coloniais, mas é raríssimo em moedas cunhadas em Roma.
A legenda deve sem dúvida ser interpretada como COLonia Lucia ANtoniniana COMModiana.

É interessante que o prenome de Lúcia fosse dado a Roma, num momento em que o próprio Cómodo se nomeava ele mesmo de Marcus.

Cómodo-AE 15 cunhado na Misia 180-192
Anv. Busto de Cómodo laureado à direita,
AD IMP C AV COMODO
Rev. Sacerdote (ou Cómodo) velado e drapeado,
com uma junta de bois abrindo um sulco com a charrua;
C G I H P
(Ref. BMC-101, SNG Cop-289)

Com estes reversos mostrando a cena da cerimónia da fundação duma cidade, temos provas de que a cidade Eterna, foi renomeada Colónia Comodiana pelo imperador Comodo.
Este facto foi relatado por Accius Lamprinius,  (autor não fiável da “História de Augusto”), e graças a este testemunho da moeda, temos  a prova  que é uma realidade histórica.

(Accius Lamprinius, um dos seis autores fictivos da coleção de biografias ditas da História de Augusto.
Ele terá sido o autor das biografias de Cómodo, Diadumediano, Heliogábalo e Alexandre Severo.)

O mesmo historiador também nos diz que ao mesmo tempo ele apresentou ao Senado o seu projeto de mudar o nome da cidade, e que o Senado se chamasse “Senatus Commodianus”.
Esta absurdidade foi mesmo ratificada por um Senatus Consultum, como podemos ver no mesmo reverso.
 O “S C” em moedas cunhadas em Roma, era unicamento destinado aos Dupôndios, Asses e Sestércios.


Cómodo-AE 43, Medalha cunhada na Lídia em 177
Anv. Busto de Cómodo laureado e drapeado à direita;
AVTO KAI L AVRH KOMODOC
Rev. Cómodo com um cetro na mão esquerda,
conduzindo uma biga, e uma Vitória a coroá-lo;
EPI ARXIEROC TATIONOV CILANDEWN ARX
(Ref. Assos Kraft, 88. 14c)

Cómodo-Sestércio cunhado em Roma em 183
Anv. Busto de Cómodo laureado à direita;
M COMMODVS ANTO NINVS AVG PIVS
Rev. A Pax sentada num trono, com uma
cornucópia na mão esquerda, e um ramo na direita;
P M TR P VIII IMP VI  COS IIII PP  PAX  S C
(Assos Kraft, 88. 14c)


Cómodo-Dupôndio cunhado em Roma 179/180
Anv. Busto de Comodo drapeado e com coroa radiada à direita;
L AVREL COMMODVS AVG TR P V
Rev. A Virtude com uma lança na mao direita
e parazónio (espada curta) na esquerda;
VIRTVS AVG IMP II COS II P P   S C
(RIC-292ª, Cohen-961-2, BMC-1724)

Accius Lamprinius (capítulo VIII) escreveu que Cómodo foi inspirado por Márcia (sua amante) que ele adorava ver disfarçada de amazona.

Para mostrar a obstinação  de Cómodo sobre este tema, Cassius Dion afirma que o povo foi obrigado  a chamar à cidade, Roma Comodiana e ao exército, Commodiani.
(Lucius Claudius Cassius Dio : historiador romano de origem grega).

Roma foi ainda apelidada pelo imperador, “a Eterna Afortunada Colónia do Mundo”, a sua intenção era que a cidade fosse considerada como a sua própria colónia, que ele não incendiou graças à intervenção de Quintus Aemilius Laetus, prefeito da guarda imperial romana.

Cassius Dion escreveu na (História de Roma, livro 72, XV ) que para os romanos, Cómodo era mais temido que todas as pragas, doenças e malefícios.

Entre outras razões, os decretos que os obrigava a prestar homenagem ao seu pai e homenageá-lo a  ele mesmo, e decretou que Roma passaria a chamar-se Comodiana e os exércitos Comodianos.

O dia em que Cómodo promulgou  estes decretos, ele mesmo tomou alguns sobrenomes, entre outros, o de Hércules.
Diz-se mesmo que na sua loucura, queria que a Cidade Eterna passasse a chamar-se Colónia Hercúlea Comodiana.

Cómodo-Denário cunhado em Roma 191-192
Anv.Cómodo com a pele de leao à direita;
L AEL AVREL COMM AVG P FEL
Rev. Moca de Hércules;
HER CULI RO MANO AVG (em três linhas)
(RIC-637, Cohen-192)

Comodo é aqui representado como Hércules com a pele do leão de Nemeia na cabeça; mais
um testemunho da sua legendária megalomania.

Cómodo-AE 24 cunhado em Topiros (Trácia)
Anv. Busto de Cómodo laureado à direita;
AV KAI MAVP KOMODOC
Rev. Hércules sentado num penedo, apoiado na moca;
EPI KAIKI CEPBEILI TOPEIREITWN
(Ref. CNG-90

Cómodo-Denário cunhado em Roma, 191-192
Anv. Busto de Cómodo com a pele de leão na cabeça à direita;
L AEL AVREL COMM AVG
Rev. Arco, Moca e Aljava com setas;
HERCULI ROMANO AVG
(RIC-253, Cohen-196, Calic-2260, Biaggi-990)

Cómodo-Denário cunhado em Roma em 192
Anv. Busto de Marco Aurélio  coroado à esquerda;
L AEL AVREL COMM AVG P FEL
Rev. Hércules de pé com a moca e a pele de leão
na mão esquerda, e um troféu na direita;
Rev. HERCVLI ROMANO AVG
202ª    (RIC-264c, RSC-202ª)

Cómodo pretendia que Roma tinha sido colonizada por ele, ao mesmo tempo que lhe atribuiu os sobrenomes de Imortal, Afortunada e Colónia Universal da Terra.

De 185 a 189, Cómodo confiou o poder a Cleandro, um antigo escravo promovido cavaleiro,
que para se enriquecer não exitou em vender as magistraturas : só no ano 189, houve vinte e cinco cônsules.

Cleandro também mandou executar ou originou que cometessem suicídio grandes personagens, mas a sua política de terror também lhe valeu a morte, porque Cómodo para acalmar os romanos afamados e revoltados mandou-o executar.

De 190 a 192, Cómodo apresenta cada vez mais sinais de demência, continuando a identificar-se  a Hércules, e a corte nas mãos dos seus favoritos e suas amantes, não é mais que um local de intrigas, conspirações e assassinatos.

Se Cómodo derramou o sangue e a morte em Roma, o império não sofreu muito da sua loucura porque a administração funcionava.

Cómodo-Sestércio cunhado em Roma em 183
Anv. Busto de Cómodo laureado à direita;
M COMMODVS ANTONINVS AVG PIVS
Rev. A Felicidade  com cornucópia e caduceu;
TR P IMP VI COS III P P  SC
202ª    (RIC-264c, RSC-202ª)

Os centros de decisões das províncias decidiam, e a  paz reinava no império.
As extravagâncias de Cómodo também não compremeteram as finanças públicas.
Apaixonado por religiões orientais, ignorou os cristãos que não sofreram qualquer perseguição, o contrário do que se passou no tempo de Marco Aurélio.

Se nos referirmos às muitas biografias, o reinado de Cómodo ainda é mal conhecido.
Ao examinarmos bem as acusações de que é alvo, elas repetem as listas dos defeitos dum Calígula, um Nero, um Domiciano; e se Cómodo  se comportou com a raiva sanguinária que lhe é atribuída, porque é que um imperador tão sensato como Septímio Severo se declarou seu irmão?

20


Cómodo-Denário cunhado em Roma 177-192
Anv. Busto de Cómodo laureado à direita;
COMMODVS ANTON AVG PIVS 
Rev. A Pax com uma cornucópia e uma palma;
TR P VIII IMP VI COS IIII PP
(Cohem-832)

A sua morte marcou o fim da dinastia Antonina, assim como uma época de relativa paz, (PAX ROMANA), e deu inicío a um período de crise económica e política.

MGeada


Bibliografia
Bennet Julien ; Trajan: Optimus Princeps, 2ª. ed..
Christien Bonnet, Bertrand Lançon ; L’Empire romain de 192 à 325 : du Haut-Empire à L’Antiquité tardive, Ophrys-1997.
Gilber John ; mitos e lendas da Roma Antiga, 2ª ed, São Paulo.
Grndes Impérios e Civilizações. Roma-Legado de um Império, 11 ed. Madrid, ed. del Prado, 1999.
História de Agusto, vida de Cómodo, 1.3
História de Augusto, vida de Cómodo,1.2




quinta-feira, 26 de outubro de 2017


FIDES, como Deusa ou Alegoria na numismática romana.
As imagens de Fides = (Fidelidade, Lealdade, Sinceridade), segundo Cícero, Lactâncio e outros, foi adorada como uma deusa pelos romanos. (Atributos: duas espigas e prato com frutos)
Attilius Calatinus, dedicou-le um templo, perto do templo de Júpiter onde esta personificação tinha sacerdotes específicos que exerciam sacrifícios em sua honra.

Nos denários de Licínia e outras famílias romanas, por vezes a sua cabeça aparece coroada com uma coroa de ramos de oliveira, que simboliza a preservação da paz.

A. Licinius Nerva-Denário cunhado em Roma,  47 a.C.
Anv./ - Fides com coroa de oliveira à direita;
NERVA  FIDES
Rev./- Licinius cavalgando para a direira, arrastando um cativo pelos cabelos
(Ref.crawford-454/1)

Noutras moedas aparece com coroa de louros, que garantia a vitória. O tipo da personificação da Fidelidade, apresenta-se de várias formas nas moedas imperiais romanas.
Fides como deusa aparece numa moeda de Cláudio II, com um estandarte na mão direita e uma lança na esquerda. 

Cláudio II (o Gótico)-Antoniniano cunhado em Roma,  268-270
Anv./-Cláudio com coroa radiada à direita;
IMP CLAVDIVS AVG
Rev./ -  Fides com um estandarte na mão direita e uma lança na esquerda;
FIDES MILITVM (reverso de Galiano)
(Ref. RIC-38v, Sear5- 11336, Cunetio Hoard-2206)

Fides Augusta num grande bronze de Plotina.

Plotina-Sestércio cunhado em Roma, em  112
Anv/-Plotina com a stephane na cabeça (touca grega antiga) à direita;
PLOTINA AVG IMP TRAIANI
Rev/ - Fides de face com duas espigas de cereais na mão direita
e um prato de frutos na esquerda;
FIDES AVGVST AVG  S C
(Ref. RIC II-740, BMCRE-1080, Sear5-33769)

Por vezes o tipo da fidelidade consiste, em duas mãos juntas cruzadas, um caduceu, duas papoulas e duas espigas de trigo ou, por uma insígnia militar segura por duas mãos juntas.
Fides Pública num asse  de Tito.

Tito (como César)-Asse cunhado em Roma, em  73 
Anv./-Tito laureado à direita;
T CAESAR VESPASIAN IMP IIII PON TR POT III COS II
Rev./ - Duas espigas, caduceu e duas mãos cruzadas;
FIDES PVBLICA S C

A Fides Exertitum aparece em muitas moedas, nomeadamente  em antoninianos de Cláudio II, assim como nos denários de Vitélio ou de Nerva.

Cláudio II (o Gótico)-Antoniniano cunhado em Roma, 268-270
Anv/-Cláudio com coroa radiada à direita;
IMP C CLAUDIVS AVG
Rev./ - Fides com uma insígnia na mão direita e uma lança na esquerda;
FIDES EXERCI
(Ref. RIC-V-I 36)

Vitélio-Denário cunhado em Lião em 69
Anv./-Vitélio laureado à direita;
A VITELLIVS  IMP GERMAN
Rev./ - Duas mãos cruzadas;
FIDES EXERCITVVM
(Ref. RIC I-53, BMCRE-114, RSC-33ª)

Neste caso, as duas mãos juntas simbolizam a fidelidade e lealdade  dos soldados e do povo, ao príncipe reinante, e não à Fides como deusa.
Alguns exemplos dos tipos referidos também são visíveis em moedas de  Balbino e Pupiano.

Balbino-Antoniniano cunhado no ano 238
Anv/- Balbino com coroa radiada e drapeado à direita;
IMP CAES D CAEL BALBINVS AVG
Rev./ - Duas mãos cruzadas;
FIDES MVTVA AVGG
(Ref. RIC IV-11, BMCRE-71)

Pupiano-Antoniniano cunhado no ano 238 (atelier incerto)
Anv/-Pupiniano drapeado com coroa radiada à direita;
M CLODIVS PUPIENVS MAXIMVS
Rev/ - Duas mãos cruzadas;
CARITAS MUTVA AVGG
(Ref. RIC 10ª, Sear-8523)

Um tipo com uma mulher drapeada com um estrandarte em cada mão e a legenda CONCORD EXERCI, aparece em moedas de ouro de Claudio II.

Cláudio II- Medalha de  8 áureos cunhada em Milão cerca de 269
Anv./- Cláudio com couraça e laureado à direita;
IMP C M AVRL CLAVDIVS P F AVG
Rev./ - Concórdia com dois estandartes militares;
CONCORDIA EXERCITVS
(Ref. Sear-2300)

A representação da Lealdade e Fidelidade entre os políticos e militares, foi muito importante durante o período da República e Império romano.
Muitos imperadores, especialmente  no século II, estavam conscientes que o seu poder dependia apenas da boa vontade do exército, e as imagens da Fides Exercitum eram muitas vezes reproduzidas no reverso das moedas. O que nem sempre foi o suficiente para os manter no poder, “e vivos”.

Alguns exemplos de moedas romanas que representam a  Fidelidade.

Cómodo-Sestércio cunhado em Roma em 192
Anv/ - Cómodo laureado e drapeado à direita;
L AEL AVREL COM AVG P FEL
Rev./ - Roma e Fides ambas  uma lança e dando-se a mão;
P M TR P XVII IMP  VIII COS VII P P   S C
(Ref. RIC III-608, MIR-18,845-6/30, Banti-321,748)

Filipe I-Sestércio cunhado em Roma, 244-249
Anv./ - Filipe laureado e drapeado à direita;
IMP M IVL PHILIPPVS AVG
Rev./ - Fides sentada num trono com um globo na mão direita, 
e uma insígnia  militar na mão esquerda;
FIDES MILITVM  S C
(Ref. RIC-172ª, Cohen-59, Sear-8994)

Maximiano I-Denário cunhado em Roma 235-236
Anv./ - Maximiano I laureado e drapeadp à direita;
IMP MAXIMINVS PIVS AVG
Rev./ - Fides com uma insígnia militar em cada mão;
FIDES MILITVM
(Ref. RIC-7ª, RSC-7ª, Sear, 2337)

 
Maximiano-Follis cunhado em Ticino cerca de 305
Maximiano laureado à direita;
IMP C MAXIMIANVS  PF AVG
Rev./ - Fides sentada sentada nun trono  com um globo na mão direita, 
e uma insígnia  militar na mão esquerda; 
IMP C MAXIMIANVS PF AVG
(Ref. RIC VI-55)

Maximiano-Antoniniano cunhado em Siscia  286-286
Anv./-Maximiano com coroa radiada à direita;
IMP C M A MAXIMIANVS PF AVG
Rev./ - Maximiano a receber um globo das mãos de Adriano;
FIDES MILITVM
(Ref. RIC V-58, Sear5-3375)

Maximiano 2º reinado-follis cunhado em Aquileia, 307-308
Anv/-Maximiano com couraça e capaceto à esquerda;
IMP C MAXIMIANVS PF AVG
Rev./ - Fides em pé com duas insígnias;
FIDES MILITVM  AVGG ET CAES NN
(Ref. RIC-77ª)

MGeada

Bibliografia
Grimal, La civilisation romaine, Edition Flamarion Paris 1981, réédite em 1998.
Pierre Boyancé,  La main de Fides (article) Publications de L’ecole Française de Rome, année 1972, volume 1, pag.121.
Gérard Freyburger, Fides. Étude sémantique et religieux depuis les origines jusqu’à l’epoque augustéenne. Paris Edition les Belles Lettres,1986, pag. 361
https://fr.wikipedia.org/wiki/Henry_Cohen_(numismate)